O Fogo

O domínio do fogo foi presumivelmente o primeiro grande passo na emancipação do homem da servidão ao ambiente.
Bookmark and Share

Aquecido pelo borralho, o homem podia suportar as noites frias, e assim, penetrar em zonas temperadas e até árticas. As chamas dar-lhe-iam luz de noite e permitir-lhe-iam explorar os recantos das cavernas onde se abrigava. O fogo afastaria os outros animais selvagens. Cozinhadas, tornavam-se comestíveis substâncias que cruas seriam impossíveis de digerir. O homem deixou de estar restrito nos seus movimentos a um conjunto limitado de climas, e as suas actividades não necessitam de ora avante de ser determinadas inteiramente pela luz do sol.

Mas, com o domínio do fogo o homem ficava a controlar uma poderosa força física e uma transformação química notável. Pela primeira vez na história, uma criatura da Natureza passava a dirigir uma das grandes forças da Natureza. E o exercício do poder deve reagir sobre quem o detém. O espectáculo da chama viva a saltar de súbito quando se lança um ramo seco nas brasas incandescentes, a transformação do ramo em finas cinzas e em fumo devem ter estimulado o cérebro rudimentar do homem. O que é que esses fenómenos lhe sugeriram, não o podemos saber. Mas ao alimentar e ao apagar o fogo, ao transportá-lo e servir-se dele, o homem deu um passo revolucionário que o afastou do comportamento dos outros animais. Estava a afirmar a humanidade e a fazer-se a si próprio.

-GORDON Childe – O Homem faz-se a si próprio.